EFEAstana

Líderes religiosos pediram nesta quinta-feira, em declaração conjunta assinada após o 6º Congresso de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais, para se acabar com "todas as formas de manipulação religiosa" que desembocam em atividades de organizações terroristas.

"Rejeitamos todas as formas de manipulação religiosa", diz o documento, que condena "o abuso em massa e sistemático dos direitos humanos por organizações terroristas internacionais".

Segundo os participantes do congresso trienal realizado no Palácio da Paz e da Reconciliação em Astana, estes atos terroristas "minam a confiança e a cooperação mútua" entre religiões e entre os seguidores de uma mesma fé.

Os participantes concordaram em criar o Centro Nazarbayev, como iniciativa que favoreça o diálogo entre as diferentes crenças, reconhecendo também o "papel fundamental deste congresso no desenvolvimento e fortalecimento no diálogo interreligioso".

O presidente do Senado cazaque, Kassym-Jomart Tokayev, participou do encerramento da cerimônia.

Os participantes enfatizaram no documento a importância da cooperação para solucionar os conflitos religiosos.

O 6º Congresso de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais reuniu representantes de 82 delegações de 46 países, entre os quais líderes políticos como o presidente sérvio, Aleksandar Vucic; e o secretário-geral da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), Thomas Greminger.

Além disso, participaram do evento representantes de Islã, Cristianismo, Budismo, Judaísmo, Hinduísmo, Taoísmo e Xintoísmo.