EFESófia

A polícia da Bulgária prendeu, nesta quarta-feira, quatro torcedores pelos incidentes racistas ocorridos na última segunda-feira durante o jogo entre a seleção búlgara e Inglaterra, em Sófia, pelas Eliminatórias da Eurocopa 2020.

De acordo como o comunicado divulgado pelo Ministério do Interior búlgaro, outras prisões - especialmente de suspeitos que estão fora da capital do país -, devem acontecer ao longo do dia.

A partida, onde os anfitriões foram goleados por 6 a 0, precisou ser paralisada em duas oportunidades, ainda no primeiro tempo, diante de manifestações racistas de torcedores locais contra alguns jogadores negros da Inglaterra.

Além disso, imagens de televisão mostram vários torcedores búlgaros fazendo a saudação nazista.

O presidente Rumen Radev disse hoje aos jornalistas que foi incidente muito desagradável para a Bulgária, embora tenha lembrado que seu país salvou seus 50 mil judeus durante a Segunda Guerra Mundial Ontem, o Ministério das Relações Exteriores citou a embaixadora do Reino Unido em Sófia para garantir que a Bulgária não é um país racista, ao mesmo tempo que o governo búlgaro expressou seu mal-estar por algumas manchetes da imprensa britânica, que classificaram os búlgaros como "uma vergonha" ou "idiotas".