EFELondres

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, defendeu nesta sexta-feira sua decisão de autorizar o voo sobre o Parlamento de um balão gigante com a forma de um "bebê Trump", afirmando que não é seu papel censurar os protestos.

"Você imagina se limitássemos a liberdade de expressão só porque alguém se sente ofendido?", disse o prefeito, em entrevista à "BBC Rádio 4", ao comentar sobre a visita oficial ao Reino Unido do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e sua esposa Melania.

O político trabalhista, muçulmano de origem paquistanesa, lembrou que o Reino Unido tem "uma rica história" de direito ao protesto e como prefeito "não deveria ser o árbitro do que é de bom ou mau gosto".

Pressionado pelo apresentador sobre se não era grosseiro receber desta forma um presidente, ele argumentou que tanto o povo do Reino Unido como dos EUA iriam se "opor" a ideia de que "devemos deixar nossos direitos, privilégios e liberdades pois eles podem ofender um presidente" americano.

Khan, que foi alvo de vários ataques verbais do chefe da Casa Branca, estava convencido de que os vários protestos convocados na capital serão "pacíficos e com uma boa atmosfera".

O balão, que representa um bebê irritado com fraldas e segurando um telefone, sobrevoará o Parlamento britânico, como parte das manifestações londrinas.