EFEIgnacio Ortega. Moscou

Svetogorsk é uma pequena cidade da Rússia na fronteira com a Finlândia que ganhou fama depois que seu prefeito declarou publicamente que, entre seus pouco mais de 15.000 habitantes, não há "nem um só gay".

"Em Svetogorsk não houve, não há e não haverá nem um só gay", afirmou no início de mês um orgulhoso Sergei Davidov, prefeito dessaa cidade situada na região de Leningrado.

Davidov, um coronel do exército russo na reserva, inclusive convidou o maior crítico da diversidade sexual neste país, o deputado Sergei Milonov, para visitar a cidade para comprovar que está no certo.

"Com todo respeito a Milónov, é importante dizer que o deputado dedicou muitos esforços a esse problema, mas não alcançou resultados tão extraordinários", ressaltou.

Milonov é o político que promoveu a adoção da lei contra a propaganda homossexual, símbolo da homofobia em um país onde os gays quase não saíram das catacumbas, muito menos do armário.

O prefeito de Svetogorsk lembrou que nos últimos anos em São Petersburgo, considerada a cidade mais liberal da Rússia, "têm acontecido com frequência passeatas de orgulho gay".

"Você já viu alguma vez uma passeata do orgulho gay em Svetogorsk? Portanto, convidamos Milonov a aprender de nossa experiência e todos aqueles que queiram pôr em dúvida a presença de indivíduos com orientação sexual não tradicional", desafiou.

Para ler mais, entre em contato ou acesse o serviço de notícias EFE.