EFEMoscou

O Governo da Rússia prometeu nesta quinta-feira transparência na investigação do defeito que obrigou a nave Soyuz MS-10, com dois tripulantes a bordo, a retornar à Terra após uma falha na decolagem, enquanto a Nasa anunciou uma investigação "exaustiva" do ocorrido.

"Certamente, não vamos esconder os motivos", disse Yuri Borisov, vice-primeiro-ministro russo, para a imprensa local.

Borisov lembrou que a Rússia é a única que há anos pode enviar naves tripuladas com destino à Estação Espacial Internacional (ISS) devido à aposentadoria das naves americanas, por isso que tem uma responsabilidade especial.

"Certamente, vocês têm direito de saber e lhes daremos toda a informação necessária sobre o que provocou o acidente. Considero que os americanos reagiram com compreensão a situação", explicou Borisov.

Quanto à falha, o vice-premiê destacou que o setor espacial é de alta tecnologia, estreitamente ligado ao risco, e se referiu a "quantos acidentes e casos trágicos houve na história da cosmonáutica americana".

"As pessoas arriscam suas vidas", afirmou Borisov, antecipando que, seja como for, as responsabilidades na indústria espacial serão apuradas, assim que se esclareçam as circunstâncias do incidente.

Borisov anunciou a suspensão de todos os voos espaciais tripulados, mas agradeceu que o sistema de salvamento em caso de defeito tenha funcionado adequadamente, o que "é muito importante", ressaltou.