EFEBarcelona

A primeira tecnologia de diagnóstico médico através de inteligência artificial, testada com 1.500 pacientes do Clínic de Barcelona e do Hospital Clínico de San Carlos de Madrid, acertou em 91% dos casos, segundo os resultados da pesquisa apresentada nesta quinta-feira no Congresso Health 2.0.

O sistema, batizado como Mediktor, combina tecnologias de inteligência artificial, de reconhecimento de linguagem natural e dados do paciente para detectar sintomas e oferecer uma lista de possíveis doenças, recomendações. Além disso, é possível entrar em contato com médicos de verdade para receber orientações adicionais.

A plataforma aprende com cada nova interação e desenvolveu uma intuição avançada após 1,3 milhão de avaliações de sintomas em 195 países, similar à de um médico com 40 anos de experiência. Segundo os criadores do sistema, essa é a primeira ferramenta de diagnóstico baseada em inteligência artificial avalizada cientificamente.

Como um médico real, o Mediktor faz uma série de perguntas simples ao paciente até chegar a uma lista de possíveis diagnósticos. Graças aos seus potentes motores semânticos, a ferramenta é capaz de interpretar os sintomas explicados pelo usuário utilizando linguagem natural e faz um completo questionário médico digital.

"As novas ferramentas de pré-diagnóstico estão transformando a maneira pela qual as pessoas acessam o sistema de saúde, contribuindo com enormes benefícios para as equipes médicas profissionais, pacientes e seguradoras", indicou o cofundador do Mediktor, Cristian Pascual.

"No entanto, para desfrutar destes benefícios, temos que garantir antes a precisão e o aval científico destas tecnologias. Por isso, estamos orgulhosos de oferecer ao mercado a primeira plataforma de avaliação de sintomas baseados em inteligência artificial avalizada pela comunidade científica", completou Pascual.

O médico Joan Cháfer Vilaplana, da Unidade de Inovação do Hospital Clínico San Carlos de Madrid, destacou a importância de prever a necessidade de investimento hospitalar dos pacientes.

"Nosso objetivo com o Mediktor é prever a necessidade de investimento ou cirurgia durante a primeira triagem de acesso ao setor de urgências. Desta maneira, seremos capazes de reduzir drasticamente as filas de espera", avaliou Cháfer.