EFEJohanesburgo

Cientistas sul-africanos revelaram nesta sexta-feira a imagem mais clara já feita do centro da Via Láctea, que é ocupado por um imenso buraco negro, graças a um novo radiotelescópio denominado MeerKAT.

"O centro da galáxia era um alvo óbvio: único, visualmente impactante e cheio de fenômenos sem explicar. Mas também é notoriamente difícil de ser captado em imagem com radiotelescópios", afirmou em comunicado Fernando Camilo, cientista-chefe do Observatório Sul-africano de Radioastronomia (SARAO, na sigla em inglês).

O centro da Via Láctea está a 25 mil anos luz da Terra, por trás da constelação de Sagitário, e está permanentemente envolto em nuvens de gás e poeira, o que o deixa invisível para os telescópios normais de nosso planeta.

No entanto, a tecnologia de infravermelho, os raios X e as ondas de rádio podem penetrar nos obstáculos e "abrir uma janela" ao buraco negro de 4 milhões de massas solares (unidade de medida equivalente à massa do Sol) situado no centro da galáxia.

A imagem difundida hoje pela equipe sul-africana cobre uma superfície de mil anos luz por 500 anos luz, com uma região clara no seu ponto médio que corresponde ao centro da galáxia.

"Embora sejam os primeiros dias com o MeerKAT e há muito que otimizar, decidimos ir em frente e estamos assombrados com os resultados", assinalou Camilo, segundo o texto difundido pelo projeto SKA Africa, dedicado à construção de radiotelescópios.

O SKA, do qual faz parte o MeerKAT, é um projeto no qual participam 11 países - Alemanha, Austrália, Canadá, China, Holanda, Índia, Itália, Nova Zelândia, Reino Unido, África do Sul e Suécia - e no qual colaboram outros 20.

O objetivo do projeto é construir na Austrália e na África do Sul o maior radiotelescópio do mundo, que poderá captar imagens com uma resolução 50 vezes superior às capturadas pelo Hubble, o que é um dos maiores desafios científicos e tecnológicos da história.

O MeerKAT, cuja construção levou uma década e que é um dos precursores do SKA, foi inaugurado oficialmente hoje em um evento ao qual compareceu o vice-presidente da África do Sul, David Mabuza, e opera na região semiárida de Karoo, na província de Cabo do Norte, no noroeste do país africano.

É atualmente o telescópio mais potente do hemisfério sul do planeta e conta com 64 antenas parabólicas de 13,5 metros de diâmetro cada uma.