EFEBogotá

A colombiana Caterine Ibargüen, campeã na prova do salto triplo do atletismo nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2012, anunciou nesta quinta-feira o encerramento da carreira, aos 37 anos, após o fim da participação em Tóquio 2020.

"Estou muito feliz com as oportunidades que a vida me deu e de ter tido a possibilidade de mostrar que é possível alcançar os sonhos. Um capítulo termina agora, mas a grande história continua", disse a atleta, por meio de comunicado.

Ibargüen é considerada uma lenda do esporte colombiano, já que além do ouro no Rio, também já havia conquistado a prata em 2012, em Londres. Além disso, foi duas vezes campeã mundial do salto triplo, em Moscou, em 2013, e em Pequim, em 2015.

A saltadora também arrebatou duas medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos, em Guadalajara, em 2011, e no México, em 2015.

Em 2018, Ibargüen ainda teve a honra de ser eleita pela Federação Internacional de Atletismo a Atleta do Ano, pouco depois de ter se consagrado campeã da Liga Diamante no salto em distância e no salto triplo.

A aposentadoria já era uma decisão tomada anteriormente, mas acabou adiada devido a transferência dos Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020 para 2021.

Na capital japonesa, em que foi porta-bandeira da Colômbia na abertura do evento poliesportivo, Ibargüen ficou na décima colocação na prova do salto triplo, ao atingir marca de 14,25.

"Estou feliz pelo que fiz aqui em Tóquio. Estou orgulhosa de ter levado a bandeira de nosso país e acho que sou uma privilegiada por poder participar de mais uma edição dos Jogos", disse a atleta nesta semana, após o fim da participação na competição.