EFEWashington

A multinacional Amazon tornou-se esta quarta-feira na última empresa a anunciar que iria retirar produtos dos Washington Redskins, a considerar uma mudança de nome, à venda na sua plataforma.

"Com o anúncio da equipa de Washington e da National Football League (NFL), estamos a remover produtos com o nome e logótipo da equipa das nossas lojas", disse um porta-voz da Amazon à CNBC.

A CNBC informou que foram dadas 48 horas aos vendedores da Amazon para retirar produtos dos Redskins.

A ação da Amazon é vista como mais uma demonstração do poder das empresas que trabalham e patrocinam equipas profissionais, sem que os mesmos tenham, até ao momento, elementos jurídicos que os apoiem nos seus direitos comerciais.

Antes da decisão tomada pela Amazon, outras empresas como a Nike, Walmart, Target e Dick's Sporting Goods já tinham decidido retirar a mercadoria dos Redskins para venda online enquanto a equipa revê o seu nome.

Os Redskins, no meio de uma pressão renovada, anunciaram na passada sexta-feira que "vão realizar uma revisão exaustiva do nome da equipa".

É considerado provável uma mudança de nome sem qualquer referência aos nativos americanos, mas mantendo as atuais cores bordô e dourado, marcas de identidade e reflexo da sua história desportiva, na qual se destaca a conquista de três Super Bowls (XVII, XXII, XXVI) em 1982, 1987 e 1991.