EFEHouston (EUA)

O comissário da NBA, Adam Silver, reiterou de novo esta terça-feira que a sua posição é ouvir cada uma das ideias expressar dentro da sua organização, procurando elaborar uma análise e decisão final que esteja focada no que é melhor para a maioria.

A título de exemplo está o movimento criado dentro da NBA à volta da luta pela justiça social e a brutalidade policial.

À pergunta concreta sobre a posição que a NBA terá de permitir aos jogadores as reivindicações sociais, igualdade racial e o movimento Black Lives Matter enquanto estão em Orlando, Silver disse que seria "aberto" e "compreensivo".

A NBA e a Associação Nacional de Jogadores de Basquetebol planeiam pintar Black Lives Matter nos campos utilizados no Walt Disney World Resort.

Silver foi também perguntado se a NBA também irá permitir aos jogadores ajoelharem-se durante o hino nacional.

"Não me sinto confortável com a palavra 'permitir'", comentou Silver. "Acho que temos uma regra nos nossos livros que remonta a princípios dos anos 80, que precede inclusivamente ao período de David Stern como comissário, que pede que os jogadores se ponham em linha e prestem atenção durante o hino nacional".

Contudo, Silver acrescentou, de forma diplomática: "Entendo o papel do protesto, e acho que nos vamos ocupar dessa situação quando estiver presente".