EFEBelgrado

O tenista sérvio Novak Djokovic, atual número 1 do mundo, disse que o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer, respetivamente segundo e terceiro no ranking da ATP, são a sua inspiração para manter o seu nível de jogo e para superá-los, embora não saiba se o vai conseguir.

"Nós três complementamo-nos. Nós pressionamo-nos mutuamente para avançar. Eles são uma das principais razões para eu ainda jogar em tão alto nível", declarou Djokovic na edição desta terça-feira do jornal desportivo sérvio "Sportski zurnal".

"O fato de os dois terem feito história no ténis é para mim uma motivação para fazer o mesmo, inclusivamente mais ainda", acrescentou o sérvio.

Aos 32 anos, Djokovic, com 16 títulos de Grand Slam, afirmou ainda que, mesmo aproximando-se das 20 conquistas de Federer e das 18 de Nadal, não sabe se será capaz de superá-los.

"Veremos", disse o tenista, que no último domingo conquistou o seu quinto título de Wimbledon ao bater Federer na final mais longa da história do torneio, que durou quatro horas e 57 minutos.

"O Roger inspira-me verdadeiramente para continuar a jogar quando tiver 37 anos, como ele. É o meu desejo. Vai depender muito das circunstâncias da vida, se terei a oportunidade de bater o recorde do número de títulos de Grand Slam, ou do tempo no topo do ranking (da ATP)", destacou.

"Não sou só tenista, também sou pai e marido. Tenho que encontrar o equilíbrio para tudo", explicou.