EFELisboa

Com um plantel muito equilibrado, um grupo de futebolistas jovens e o único objetivo de regressar à Primeira Divisão de Portugal, o treinador espanhol Jacobo Ramallo -adjunto de Bruno Pinheiro- e o "jogo bonito" foram peças chave para que o Estoril Praia regresse à elite do futebol português.

Numa entrevista com a Agência EFE, Ramallo mostrou a sua "satisfação" pela subida, consumada recentemente, depois da Académica de Coimbra ter perdido, pelo que o Estoril é já matematicamente equipa da Liga Portugal.

A época de Jacobo Ramallo, a sua primeira no futebol português depois de passagens pela Índia ou Austrália, ficou também marcada por uma bem sucedida participação na Taça de Portugal, na qual perderam nas meias-finais contra o Benfica depois de eliminarem três equipas da primeira liga.

- Pergunta: Sensações depois de consumar a subida.

- Resposta: De satisfação e mérito. Foram uns últimos dias bonitos e sempre com os adeptos (apesar de não poderem entrar nos estádios). Além disso, na Taça conseguimos chegar às meias-finais e eliminamos três equipas da primeira.

- P: O plantel.

- R: Foi o principal argumento da subida. Excecionais, um plantel jovem, com os quais é muito fácil estar. Um grupo de profissionais e um plantel muito equilibrado, sem debilidades e com muita variedade.

- P: As chaves da subida e o estilo.

- R: A forma de jogar. Sobretudo no primeiro terço da temporada. Fomos uma equipa muito seguida. Fizemos uma proposta bonita, bem jogada, com base nos resultados. Não somos um Barcelona para estar desde o minuto 1 ao 95 com a bola no campo rival, mas foi a intenção em todos os jogos, alguns com mais êxito que outros, já que não há jogos fáceis nesta competição.

- P: Estrutura do clube.

- R: Têm tudo muito bem atendido, desde a simplicidade, sem alardes. É um clube de primeira divisão, cuidam de todos os pequenos detalhes, dentro e fora do campo. O que prometem cumprem. É um clube que volta a onde merecem estar.

Por Carlos García