EFETóquio

O Governo do Japão reiterou esta sexta-feira a ideia de realizar os Jogos Olímpicos este ano em Tóquio apesar dos rumores de um possível cancelamento devido à gravidade da pandemia de coronavírus.

"Estou determinado a organizar Jogos seguros enquanto trabalhamos em estreita colaboração com o governo metropolitano de Tóquio, o comité organizador (dos Jogos) e o Comité Olímpico Internacional (COI)", disse hoje o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, durante uma sessão da Câmara dos Conselheiros do Parlamento do Japão.

Suga ressaltou que os Jogos devem servir "como prova da vitória da humanidade contra a covid-19", mensagem que as autoridades japonesas têm vindo a repetir desde março do ano passado, quando foi decidido adiar o evento por um ano. Este estava marcado originalmente para de 24 de julho a 9 de agosto de 2020 e passou para de 23 de julho a 8 de agosto de 2021.

O primeiro-ministro japonês fez a sua declaração no meio de especulações crescentes tanto no Japão como no exterior sobre um possível atraso ou mesmo cancelamento dos Jogos de Tóquio devido à crise de saúde global.

O jornal britânico "The Times" publicou na quinta uma reportagem informando que o Governo japonês já tinha concluído que a realização dos Jogos Olímpicos este ano seria impossível, com base em fontes da coligação que apoia Suga.

O ministro japonês encarregado dos Jogos, Seiko Hashimoto, negou esta informação à imprensa japonesa nesta sexta-feira.

"O Governo japonês fará todos os esforços para realizar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos neste verão", disse Hashimoto quando questionado sobre o assunto.

Hashimoto enfatizou que o Japão "está a fazer todo o possível para controlar a pandemia" e a "tomar as medidas necessárias" para realizar os Jogos.

O comité organizador dos Jogos manifestou-se hoje na mesma linha, afirmando que o Governo do Japão "lidera uma série de reuniões de coordenação sobre medidas contra a covid-19" e "está a implementar extensas ações para prevenir infeções de modo a realizar os Jogos".