EFEBerlim

O ex-campeão mundial de xadrez e opositor russo Gary Kasparov chamou hoje a um boicote diplomata Ao Mundial da Rússia que começa no próximo mês de junho.

"Neguemos a Putin a confirmação e a glória que tanto deseja mantendo longe do Mundial aos representantes dos governos", pede num artigo publicado no diário alemão "Frankfurter Allegemeine Zeitung".

Segundo Kasparov, a Rússia ocupou a península ucraniana da Criméia em março de 2014 impulsada pelos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, pelo que evitar que reforce a sua confiança no Mundial de futebol não seria só algo simbólico.

"É uma maneira de mostrar a Putin que o mundo está a olhar e que no futuro os ataques russos só vão ser tolerados no campo", acrescenta o ex-jogador de xadrez, quem advoga por um boicote politico, não desportivo.

Após o envenenamento do ex-espia Serguéi Skripal no Reino Unido, Londres informou que não vai haver representação britânica por parte da realeza nem dignatários no Mundial e o Governo da Islândia anunciou na passada semana que não irá enviar representantes ao torneio.

Por sua parte, o presidente polaco, Andrzej Duda, assinalou que não vai acudir ao partido inaugural que irá enfrentar a 14 de junho em Moscovo a Rússia e a Arábia Saudita.