EFERoma

Roberto Mancini, selecionador de Itália, assegurou que o regresso de Mario Balotelli não é uma aposta "desesperada", pois é um avançado "bom ao nível técnico" que pode dar uma contribuição importante caso se encontre num bom estado de forma física.

"É um teste de três dias, é um bom momento para ver algumas situações. A porta da seleção está sempre aberta para todos e se há jogadores que nos podem ajudar, ficamos felizes", afirmou Mancini durante uma conferência de imprensa no centro técnico de Coverciano (Florença, centro), onde reuniu a seleção para trabalhar uns dias e preparar a repescagem do Mundial do próximo março.

"Quando estamos desesperados talvez possamos conseguir a nossa melhor versão, mas não acho que esta situação seja desesperada", acrescentou.

"Ao nível técnico ele (Balotelli) sempre foi bom, há que ver como está a nível físico. Não o vimos de perto nos últimos meses, vê-lo em pessoa um par de dias pode ser muito útil. Um jogador deve também adaptar-se a um grupo já construído, isso também tem influência", concluiu.

Mancini deu confiança a Balotelli, que marcou oito golos na Liga turca com o Adana Demirspor, e abriu-lhe as portas da seleção pela primeira vez em três anos e meio.

Itália, atual campeã da Europa, encontra-se numa situação delicada, pois deverá ganhar a repescagem mundialista, com uma meia-final com a Macedónia do Norte e um possível final com Portugal em Lisboa, para evitar a sua segunda ausência consecutiva de um Mundial.

Mancini procura um avançado fiável para esses jogos devido às lesões de Federico Chiesa e Andrea Belotti e ao fraco rendimento de Ciro Immobile nas partidas decisivas.

O selecionador reconheceu que pode mudar de desenho tático e apostar por dois avançados centro e dois extremos, embora por enquanto sejam apenas ideias a trabalhar.