EFEBucareste

O ministro do Desporto da Roménia, Ionut Stroe, pediu esta quarta-feira "desculpas em nome do desporto romeno" devido a uma expressão racista supostamente utilizada pelo quarto árbitro, desse país, contra o ex-internacional camaronês Pierre Achille Webó, membro da equipa técnica do Basaksehir Istambul, que jogava contra o PSG em Paris.

"Peço desculpas em nome do desporto romeno por este infeliz incidente", disse Stroe. "Condenamos com firmeza qualquer tipo de expressão ou declaração que possa ser considerada racista ou discriminatória", acrescentou.

Num vídeo publicado nas redes sociais pode-se ouvir alguém, que parece ser o quarto árbitro, a referir-se a Webó como "aquele negro" para o identificar de modo a que o árbitro do encontro o expulsasse.

Os jogadores das duas equipas abandonaram o campo em protesto do que o senegalês Demba Ba e outros futebolistas do Basaksehir consideraram uma demonstração de racismo do árbitro.

Segundo as primeiras informações, as palavras "aquele negro" foram pronunciadas por Sebastian Coltescu, o quarto árbitro, que tentou explicar sem sucesso que tinha sido uma forma de identificar com rapidez o membro da equipa técnica que devia ver o vermelho.

Outros meios de comunicação romenos, contudo, asseguram que estas palavras foram ditas por outro dos árbitros assistentes, Octavian Sovre. O árbitro principal era o romeno Ovidiu Hategan.

"O desporto é algo completamente diferente, é trabalho, ambição, jogo limpo", acrescentou o ministro, que espera "que não se chegue a um escândalo diplomático" pelo ocorrido, dizendo que "serão tomadas medidas" uma vez que a UEFA "nos diga o que aconteceu verdadeiramente".

"Esta expressão infeliz vai ser sancionada", concluiu o ministro.