EFERoma

A corrida do português José Mourinho, treinador da Roma, para celebrar este domingo o triunfo no último segundo contra o Sassuolo, no seu jogo 1.000 como técnico, confirmou o "idílio" que o setubalense vive com os adeptos do clube romano e reavivou a memória dos primeiros êxitos da sua carreira ao serviço do Porto.

Foi ao minuto 92 quando Stefan El Shaarawy deu à Roma uma sofrida vitória por 2-1 contra o Sassuolo no Estádio Olímpico. Mourinho celebrou efusivamente, com uma corrida que entrou já nos corações dos adeptos da equipa, e numa noite que o próprio treinador definiu como "inesquecível".

A sua celebração fez lembrar algo que aconteceu há 17 anos atrás, quando Mourinho treinava o Porto e eliminava o Manchester United nos oitavos de final da Liga dos Campeões graças a um golo de Costinha a cinco minutos do fim.

Também neste caso, "Mou" saiu disparado do banco para celebrar um golo que mudaria a sua carreira, pois nessa época acabaria com o histórico triunfo na 'Champions' e abria uma bem sucedida carreira que o viu ganhar outra "Orelhuda", com o Inter de Milão em 2010, e títulos nacionais em Portugal, Inglaterra, Itália e Espanha.

O 'sprint' deste domingo no Estádio Olímpico foi sinal de que Mourinho vai recuperando alento, perfeitamente adaptado a uma Roma que o considera um ídolo absoluto, o que talvez tenha sido o que lhe faltou na sua última etapa no Tottenham.

"Hoje não senti que tinha 58 anos, mas sim dez, doze ou catorze, quando começas a sonhar ter uma carreira no futebol. A minha corrida foi como a de uma criança", reconheceu Mourinho depois do apito final em declarações facilitadas pelo Roma.

E admitiu também que viveu o jogo contra o Sassuolo com muita expectativa, pois desejava que o seu 1.000º encontro como técnico fosse recordado com um triunfo.

"Esta semana menti, também a mim próprio. Disse a todos que não era um jogo especial e tentei convencer-me disso. No entanto, era. Este jogo tinha um número realmente especial para mim. E sem dúvida que me vou lembrar até ao último dia da minha vida. Não queria uma derrota e perder dava-me muito medo. Menti a todos e senti sensações incríveis", disse Mourinho.

A sua Roma continua com o pleno de pontos na Série A, com três vitórias em três partidas, e lidera a classificação junto ao AC Milan e Nápoles. Tem já oito pontos de vantagem sobre a Juventus, que ganhou nove dos últimos dez campeonatos, e dois sobre o Inter de Milão, a sua antiga equipa e campeã em título.

Além disso, a equipa romana venceu os dois jogos da qualificação da Liga Conferência contra o Trabzonspor, o que representa o melhor arranque de uma época na carreira de Mourinho.

"Não sabia que este é o melhor arranque de época da minha carreira, assim como não sabia dos 1.000 jogos até há pouco. Não procuro estes números, mas obviamente estou contente pelos três pontos e pela nossa mentalidade", afirmou.

Chegado à capital italiana depois de uma discreta etapa no Tottenham, Mourinho deu uma grande identidade à Roma e o seu trabalho para conquistar o carinho dos fãs já está a dar dividendos.

O grupo está unido e os adeptos sonham voltar a estar lado a lado dos grandes de Itália para ganhar um troféu que lhe escapa desde 2008.

Por Andrea Montolivo