EFEMadrid

A Polícia Nacional de Espanha deportou para a Argentina Maxi Mazzaro, um dos líderes dos ultras do Boca Juniors que estava em Madrid.

Fontes da Polícia espanhola informaram à Efe que Mazzaro foi detetado no âmbito do dispositivo iniciado para garantir a segurança do jogo da segunda-mão da final da Taça Libertadores, entre o Boca Juniors e o River Plate, que será realizada no próximo domingo em Madrid.

O líder foi encontrado ontem à noite e já foi enviado de volta para a Argentina, já que é considerado, segundo a polícia, um dos ultras mais "significativos e perigosos" e que conta, além disso, com uma longa lista de antecedentes criminais.

Maxi Mazzaro é um integrante violento de um grupo de adeptos dissidentes de 'La 12', a principal claque do Boca. Em 2013, após seis meses foragido, foi processado e acusado como um dos responsáveis pela morte de Ernesto Cirino, no bairro de Liniers, a 29 de agosto de 2011. Mazzaro ficou preso por um ano e meio, mas em 2014 foi absolvido junto com Mauro Martín, um dos dois chefes atuais dos ultras.

O outro chefe da 'La 12', Rafael di Zeo, obteve esta quarta-feira de um tribunal de Buenos Aires a permissão para viajar para Espanha mas com o chamado "direito de admissão", a proibição argentina de entrar no estádio.