EFETóquio

A polícia japonesa anunciou esta terça-feira que encontrou o atleta do Uganda que desapareceu na sexta-feira passada, após fugir do alojamento onde se preparava para os Jogos Olímpicos de Tóquio, descumprindo a norma de isolamento proposta pelo país anfitrião.

O atleta em questão é o halterofilista Julius Ssekitoleko, que deixou uma mensagem na qual manifestava o desejo de permanecer e trabalhar no Japão para deixar para trás as dificuldades no Uganda, segundo explicou a delegação do país africano.

Ssekitoleko, de 20 anos, foi encontrado pela polícia na província de Mie, no centro do Japão, para onde pode ter viajado no comboio de alta velocidade que partiu de Osaka (oeste), região onde a equipa do Uganda está hospedada.

A previsão era que Ssekitoleko voltasse ao país natal sem participar nos Jogos Olímpicos, já que não cumpria os requisitos necessários para competir na prova de halterofilismo, de acordo com a delegação ugandesa.

O atleta saiu do hotel na sexta-feira passada, deixando o passaporte e sem ter realizado o teste de coronavírus que devia ter feito nesse dia. Desde então que era procurado pelas autoridades japonesas.

Em conferência de imprensa, o diretor executivo do Comité Organizador dos Jogos de Tóquio, Toshiro Muto, afirmou esta terça-feira que se trata de um caso "muito confuso" e que os anfitriões vão estudar possíveis sanções ao atleta quando a situação for esclarecida.

A rígida norma elaborada para os Jogos Olímpicos de Tóquio proíbe que atletas e outros participantes do evento se desloquem até outro lugar que não seja o hotel escolhido, o centro de treino ou localizações previamente aprovadas pela organização.