EFEValência (Espanha)

O presidente do Valência, Anil Murthy, negou "categoricamente" que o clube esteja à venda porque para o seu proprietário, Peter Lim, a aquisição de mais de 80% das ações da entidade foi "uma ideia a longo prazo" e não para ganhar dinheiro.

Palavras de Murthy numa entrevista publicada esta segunda-feira no site do clube, na qual acrescentou que Lim não adquiriu as ações para ganhar dinheiro porque isso é "quase impossível no futebol".

"A atual situação acionária não é uma imposição, é a realidade que existe. Só queremos que o Valência cresça a longo prazo. Não houve nenhuma oferta pelo clube, mas a verdade é que também não está à venda", afirmou.

O presidente da equipa espanhola acrescentou que em cinco anos injetaram capital, controlaram a dívida e cumpriram todos os compromissos. "Deixámos de perder dinheiro e desportivamente voltámos a ganhar títulos e a estar três anos na Champions League", indicou.

Murthy acrescentou que estão "muito perto" do novo estádio, o que pode ajudar a equilibrar contas, além de admitir que deviam ter explicado "mais e melhor esta realidade".

O presidente do Valência considera que houve campanhas de desprestígio contra a propriedade do clube e que há "setores minoritários" que têm o objetivo "interessado" de que este volte ao seu estado anterior.

"Nem ultras nostálgicos, nem algum antigo dirigente incapaz de evitar que o clube não pudesse enfrentar as suas dívidas, nem nenhuma outra pessoa com influência perdida vão conseguir o seu objetivo de nos pressionar", disse.

"Todos os dirigentes recebem críticas e respeitamos mas, por outro lado, vamos ser muito firmes contra o assédio e as ameaças", continuou.

A respeito do novo treinador, Albert Celades, e à equipa, o presidente do Valência destacou o seu profissionalismo para se adaptar à mudança e manter o seu rendimento competitivo.

"Penso que Celades é inteligente, tem personalidade e ambição, uma ideia de futebol e de confiança nos jovens. Gostamos muito disso. Estamos a dois pontos da Champions e com opções intactas de avançar na fase de grupos na (Liga) Europa", acrescentou Murthy.