EFEMadrid

O Tribunal de Arbitragem Desportiva (TAS) decidiu reduzir para metade a sanção imposta pela FIFA ao Chelsea de não poder fazer contratações, pelo que, ao tê-la cumprido neste passado verão, poderá voltar a realizar operações de aquisição de jogadores já no próximo mercado de inverno.

O Comité de Apelação da FIFA acordou no passado 11 de abril proibir o clube londrino de realizar contratações em duas 'janelas', apoiando deste modo uma decisão adotada pela Comissão de Disciplina por infringir o regulamento sobre transferências internacionais de futebolistas menores de 18 anos.

O Chelsea recorreu perante o TAS, que iniciou o procedimento de arbitragem em junho, conduzido pelo italiano Massimo Coccia. A entidade inglesa não solicitou medidas provisórias, apenas que a decisão acontecesse antes de finais deste ano.

Depois da audiência que teve lugar na sede do TAS no passado 20 de novembro, e de ter analisado o caso, Coccia entendeu que o Chelsea violou os artigos 19.1 e 19.3 sobre a incorporação de menores, mas de uma forma "significativamente inferior em número de jogadores (sobre um terço do indicado pela FIFA)", e que os incumprimentos de outras regras atribuídas ao clube eram menos sérias.

Desta forma, segundo indica o TAS num comunicado emitido esta sexta-feira, o árbitro "reduz a sanção a apenas um período de transferências", circunstância que os 'blues' já cumpriram este verão de 2019, pelo que poderão voltar a fazer contratações no próximo mercado, que terá início a 1 de janeiro. Além disso, também reduz a multa a metade, a um total de 300.000 francos suíços (cerca de 273.000 euros).