EFEBanguecoque

Um tribunal tailandês ordenou hoje a libertação do futebolista baremita Al-Araibi, reconhecido como refugiado pela Austrália, após a procuradoria ter retirado o pedido de extradição para o seu país, informou a imprensa local.

O futebolista, detido desde o passado 27 de novembro após chegar a Banguecoque, vai ser colocado hoje mesmo em liberdade, indicou à Efe o diretor-geral do departamento de Negócios Estrangeiros da Procuradoria Geral, Chatchom Akapin.

Segundo Akapin, o governo do Bahrein solicitou através do ministério dos Negócios Estrangeiros tailandês a retirada do pedido de extradição, que a procuradoria tailandesa apresentou em representação do país árabe perante o tribunal penal de Banguecoque, que aceitou o pedido.

Al-Araibi chegou à Austrália em 2014 após fugir do seu país, onde esse ano foi condenado à revelia a dez anos de prisão por danos numa esquadra durante um protesto da Primavera Árabe.

O jogador viajou para a Tailândia em novembro juntamente com a sua mulher para passar a lua-de-mel, mas foi detido à sua chegada a Banguecoque.

A detenção foi devido a uma ordem emitida pela Interpol, que posteriormente foi retirada, e ao pedido de extradição apresentado pelo Bahrein.

O caso gerou tensão nas relações entre a Tailândia e a Austrália, cujo governo pediu várias vezes a libertação de Al-Araibi, ao qual reconheceu como refugiado em 2017, reivindicação à qual a FIFA e destacados desportistas se juntaram.

O futebolista, que denunciou que foi torturado em 2012 antes de fugir do Bahrein, defendeu a sua inocência ao alegar que quando ocorreram os incidentes pelos quais foi condenado estava a disputar um jogo com a seleção do seu país.