EFERedação de desporto

"Ainda não é o momento de regressar ao Barcelona", considera Xavi Hernández, antigo capitão da equipa espanhola e atual treinador do catariano Al Saad. "Em janeiro disse-lhes que não era o momento (de se tornar treinador do ex-clube), e até agora não me contactaram", acrescenta.

Xavi descartou assim a sua ida para o Barcelona na próxima época numa entrevista ao jornal espanhol El País, na qual diz também respeitar "muito" Quique Setién, atual treinador do Barça. "Tem um manual de jogo muito parecido ao que o Barça precisa, que é o cruyffismo, outra coisa é que resultados o acompanhem", opina Xavi.

Por sua parte, Xavi continua com o objetivo de "adquirir experiência", embora admita que "seria um privilégio treinar algum dia o Barcelona, com uma equipa (técnica) de sonho, com Jordi Cruyff, Carles Puyol e alguns jogadores atuais. Gostaria de fazer uma equipa com gente válida que conhece a casa, gente de confiança e do meu meio".

Perguntado pela fórmula de Leo Messi de renovar ano a ano, o antigo internacional espanhol responde que ele "ganhou-o; cláusula automática. O Messi precisa do Barça, e o Barça precisa do Messi. Têm que o fazer feliz, porque com Leo Messi contente vão ganhar mais títulos".

Xavi acrescentou que mantém "uma grande amizade" com o jogador argentino e que o respeita "muito" porque "é um animal competitivo, quer sempre ganhar, e há dez anos que é o melhor futebolista do mundo". Como tal, deseja que "oxalá" possam voltar a encontra-se "ao nível profissional".