EFELisboa

A euro-região Euroace, integrada pela espanhola Extremadura e as portuguesas Centro e Alentejo, vai apostar este verão pelos turistas ibéricos com a expectativa de que as fronteiras entre ambos países possam abrir brevemente.

Responsáveis de turismo das três regiões realizaram esta quarta-feira uma reunião virtual na qual decidiram realizar uma campanha de promoção dirigida ao mercado ibérico, uma estratégia que não entrava nos planos iniciais da euro-região mas que se adotou devido à pandemia da COVID-19.

"Nunca tínhamos previsto isto, mas face à situação atual e à previsão de que as fronteiras possam abrir em breve, decidimos fazer uma campanha da euro-região para o mercado ibérico", assinalou à EFE o presidente da entidade governamental Turismo do Alentejo, Vítor Silva.

A euro-região espera que a campanha, que será realizada através de meios de comunicação, operadores, redes sociais e outros canais, esteja pronta até 15 de junho, data até qual está decretado o fecho das fronteiras entre Espanha e Portugal, embora ainda não haja certeza de que a restrição não seja prolongada.

O presidente do Turismo do Centro, Pedro Machado, disse à EFE que os mercados espanhol e português "são os que mais rapidamente poderão ter férias" nesta euro-região, pelo que devem "aproveitar a mais valia dos 55 milhões" de habitantes de ambos países.

"Queremos que a península ibérica seja o nosso mercado alvo dos próximos três ou quatro meses", disse Machado, que considerou que até finais de outubro não irão receber muitos turistas de outros países devido à falta de ligações aéreas, fecho de fronteiras e o medo de viajar ao exterior.

Como tal, apelou aos Governos de Espanha e Portugal a que abram a fronteira conjunta e que o façam até "mais rápido que as dos outros países", tendo em conta a grande ligação que há entre ambas nações.

Por sua parte, o diretor-geral de Turismo da Junta da Extremadura, Francisco Martín, explicou em declarações institucionais que concordaram na reunião "estabelecer e desenhar ações que reativem o turismo este verão" e num momento em que o desconfinamento comece a permitir a circulação entre os dois países.

Além disso, as três regiões querem "cooperar para que o plano de turismo europeu permita que cheguem ajudas diretas, não apenas créditos, às empresas turísticas da euro-região", disse Martín, que recordou que geram "mais de 91.000 empregos diretos" no setor.

Durante o encontro, as três regiões fizeram um balanço das ações realizadas nos últimos anos, nos quais desenvolveram trabalhos conjuntos sobre quatro eixos: o património cultural, a gastronomia e o vinho, o turismo de natureza e o religioso.

A euro-região do Euroace, iniciativa surgida em 2009, ocupa uma extensão de 92.500 quilómetros quadrados e conta com cerca de 3,4 milhões de habitantes, 6% da população peninsular.