EFEFrankfurt (Alemanha)

O Banco Central Europeu (BCE) reviu em baixa uma décima os prognósticos de crescimento para a Zona Euro em 2020, até 1,1% (1,2% pronosticado em setembro).

A presidente do BCE, Christine Lagarde, disse hoje em conferência de imprensa que a entidade reviu em alta, também uma décima, os prognósticos de crescimento para este ano até 1,2% (1,1% nos prognósticos de setembro.

O BCE prevê agora um crescimento de 1,4% em 2021 (como em setembro) e também para 2022.

Lagarde reiterou que existem riscos à baixa para o crescimento económico da Zona Euro devido ao protecionismo e outros fatores geopolíticos, "mas que têm sido algo menos pronunciados".

A nova presidente do BCE disse que a situação de agora é melhor em comparação com o panorama de há uns meses, o que é "encorajador", disse Lagarde.

Os dados disponíveis desde a reunião do Conselho de Governo no final de outubro mostram que as pressões inflacionistas são "fracas" e que o crescimento da Zona Euro é "débil".

No entanto, a nova presidente do BCE enfatizou que "há alguns sinais iniciais de estabilização do arrefecimento económico e de um aumento suave da inflação subjacente".

Lagarde também previu que a inflação será este ano de 1,2% (como em setembro) de 1,1% em 2020 (1% em setembro), de 1,4% em 2021 (1,5% em setembro) e de 1,6% em 2022.

Deste modo, o BCE revê algo em alta os prognósticos de inflação para 2020 e em baixa para 2021 devido ao "ritmo esperado no futuro dos preços da energia".