EFESidney (Austrália)

Um cão farejador ajuda os guardas florestais australianos na procura por coalas em perigo devido aos enormes incêndios que assolam a Austrália e já mataram milhões de animais.

O cão da raça springer spaniel inglês, de 4 anos, fareja o terreno arborizado sob risco de incêndio, a fim de localizar os coalas, um animal icónico da Austrália e que se tornou numa das principais vítimas dos incêndios.

Acompanhado pelo seu treinador, Ryan Tate, o animal marca as árvores onde os coalas estão localizados, geralmente vários metros de altura e agarrados às árvores, para que os guardas prossigam o resgate e os levem para um local seguro das chamas.

Taylor, como é chamado chamado o cão, ajudou a resgatar pelo menos 15 coalas no estado de Nova Gales do Sul desde o início dos incêndios florestais em setembro, que já destruíram terras maiores que o tamanho da Irlanda.

"Em ótimas condições, pode localizar e rastrear um coala a mais de 125 metros de distância", disse o treinador à Efe.

Essa dupla peculiar que trabalha nos resgates pode cobrir entre 10 e 35 quilómetros de terras florestais por dia.

Segundo estimativas de grupos protecionistas, os incêndios florestais também mataram mais de 8 mil coalas, uma espécie já classificada como "vulnerável" e ameaçada pela seca, doença e desmatamento.

A gravidade dos incêndios florestais faz temer o desaparecimento dos coalas, cuja população em todo o país é de cerca de 80 mil, segundo a Australia Koala Foundation, se esse tipo de catástrofe continuar e as florestas de eucalipto restantes não forem protegidas.