EFE

Bruxelas

A Comissão Europeia (CE) quer que os europeus consumam este ano menos 5% de gás e petróleo, segundo o plano apresentado esta quarta-feira pelo Executivo comunitário para afastar rapidamente a União Europeia dos combustíveis fósseis russos.

O objetivo da Comissão é poupar 13.000 milhões de metros cúbicos de gás e 16 milhões de toneladas de petróleo no âmbito do plano "Repower EU" apresentado esta quarta pelo Executivo comunitário para reduzir este ano as compras de gás russo em 66% e eliminar estas importações em 2030.

Segundo a proposta comunitária, esta poupança pode ser conseguida baixando as temperaturas do aquecimento, utilizando menos ar condicionado, reduzindo a utilização de automóveis e privilegiando o transporte público, utilizando aparelhos de forma mais eficiente e não deixando as luzes acesas desnecessariamente.

"Não dizemos às pessoas o que fazer, damos sugestões", ressaltaram fontes da UE acerca de uma poupança que a Agência Internacional de Energia (AIE) também acredita ser possível.

Estas sugestões incluem incentivos como a redução do IVA sobre sistemas de climatização de alta eficiência e isolamento de edifícios, assim como a promoção de bombas de calor e a compra de aparelhos mais eficientes do ponto de vista energético.

A Comissão acredita que a moderação da procura de energia "reduzirá a pressão nos mercados energéticos e ajudará a baixar os preços ao nível global".

O plano abrangente do Executivo comunitário também prevê que as indústrias se juntem a essa poupança através da eletrificação, o que permitirá uma economia adicional de 35 bcm de gás até 2030, dos quais 22 bcm seriam provenientes de setores como os minerais não metálicos, cimento, vidro, cerâmica e produtos químicos.

O setor industrial terá também de aumentar a produção de certos equipamentos e componentes necessários para a eletrificação rápida da economia para produzir pelo menos 20 gigawatts de capacidade fotovoltaica até 2025 e tecnologia para turbinas eólicas, 10 milhões de bombas de calor até 2025 e dez vezes mais eletrolisadores para produzir hidrogénio verde.

Além disso, Bruxelas espera que cerca de 30% da produção de aço seja descarbonizada até 2030 e pretende gerar poupanças no transporte de mercadorias, que representa 30% das emissões de CO2, para o qual prepara orientações, incluindo para o transporte por camião.