EFETóquio

O número de mortos por conta das chuvas torrenciais da metade sul do Japão subiu para 199, enquanto continuam os trabalhos de resgate e busca de mais de duas dezenas de desaparecidos, segundo os números divulgados esta quinta-feira pelo Governo.

Cerca de 73 mil membros das Forças de Autodefesa (Exército), polícia e bombeiros continuam hoje os trabalhos de resgate, para os quais foram desdobrados 80 helicópteros, informou o ministro porta-voz do Governo japonês, Yoshihide Suga, em conferência de imprensa.

Pelo menos 199 pessoas morreram e 23 estão desaparecidas, afirmou Suga, devido ao desastre meteorológico mais letal no país asiático em 36 anos.

O porta-voz alertou para a possibilidade de mais chuvas na região nos próximos dias e pediu aos cidadãos que permaneçam em alerta por este motivo e também pelas altas temperaturas esperadas, o que poderá afetar pessoas deslocadas e equipas de resgate.

As chuvas recorde que atingem o país há uma semana provocaram inundações e deslizamentos de terra na sua passagem, especialmente nas províncias de Hiroshima, Ehime e Okayama, onde o fenómeno meteorológico arrasou milhares de casas e deixou várias populações isoladas.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, que ontem visitou Okayama, estará amanhã em Ehime para supervisionar os trabalhos de resgate e assistência aos desabrigados caso a situação permitir, disse o porta-voz.