EFELondres

Os fãs de música em todo o mundo dedicaram, em média, no último ano, 18,4 horas semanais a ouvir música, uma subida face às 18 horas de 2019, segundo um estudo divulgado esta quinta-feira pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).

A análise, chamada "Engaging with music 2021" ("Envolver-se com a música 2021"), indica que esse tempo equivale a ouvir 368 canções com uma duração aproximada de três minutos.

Para este estudo foram realizadas sondagens a 43.000 pessoas entre 16 e 64 anos de 21 países, tais como Espanha, Argentina, Brasil, México e Reino Unido.

Segundo a análise, elaborada pela empresa AudienceNet, a maioria dos entrevistados afirmou ouvir música em plataformas digitais.

A subscrição destas aplicações aumentou 51%, e um dos principais motivos desta subida é a autonomia que oferece aos seus utilizadores na escolha de canções ou artistas.

Outro dado extraído do estudo é a dedicação, cada vez mais popular, em assistir a espetáculos ao vivo através da tecnologia de 'streaming'.

A presidente da Federação e autora do estudo, Frances Moore, disse que este trabalho "oferece informação de como os seguidores e fãs de música à volta do mundo usufruem cada vez mais dela e em mais suportes do que nunca".

Além disso, este estudo revela que a música contribui para a melhoria do bem-estar emocional, principalmente nos mais jovens, 87% confessaram que escolheram ouvir música na pandemia para se distrair ou melhorar o seu ânimo.