EFEGenebra

O programa COVAX, criado pela Organozação Mundial da Saúde (OMS) e a Aliança para as Vacinas GAVI com o objetivo de distribuir vacinas contra a covid-19 em todo o mundo, deu esta quarta-feira um passo de gigante com o primeiro envio de 600.000 doses, fabricadas pela AstraZeneca, ao Gana (África ocidental).

As doses foram fabricadas pelo Instituto Serológico da Índia, parceiro da AstraZeneca no desenvolvimento da sua vacina, e voaram desde Bombaim a Acra, capital do Gana, com escala no Dubai (Emirados Árabes), segundo um comunicado conjunto da OMS, GAVI e o Fundo de Nações Unidas para a Infância (UNICEF), promotores do COVAX.

Este primeiro envio, que irá continuar nos próximos dias com outro para a Costa do Marfim, chega uma semana após a OMS autorizar o uso emergencial da vacina AstraZeneca e marca o início de um programa que visa distribuir 2.000 milhões de doses em todo o mundo, incluindo 1.300 milhões para países pobres.

A chegada das vacinas a Acra marca "um passo histórico em direção ao objetivo de garantir a distribuição equitativa das vacinas contra a covid-19 em todo o mundo", enfatizou o comunicado.

"É o primeiro passo, mas apenas o princípio", acrescentou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que afirmou que "ainda há muito trabalho a fazer junto dos governos e fabricantes para atingir o objetivo de que profissionais da saúde e idosos comecem a ser vacinados em todos os países nos primeiros 100 dias de 2021".

O programa Covax, segundo o comunicado, será a maior operação de distribuição de vacinas da história.