EFELisboa

Enquanto Andrés sobrevoa em parapente a fortaleza Património da Humanidade de Elvas, a atleta da localidade espanhola Almendralejo Esther aproveita que os seus quatro filhos ainda dormem para correr na passadeira e se preparar para algumas provas luso-espanholas que a esperam nos circuitos desportivos do Euroacesport.

"Agora apanhas-me a sobrevoar Elvas", explica Andrés ao início da entrevista com a Agência EFE, já que, embora viva em Badajoz, não pode praticar os voos sem motor na sua localidade porque, devido à proximidade com o aeroporto, está proibido.

Andrés Sánchez "Driu", que até ao ano passado competia, tendo o recorde do mundo de distância em paramotor de dois lugares, organiza campeonatos de parapente com a empresa Aerofly nos quais competem espanhóis e portugueses.

Provas que se na última edição foram realizadas em Zarza Capilla, município da região espanhola da Extremadura, nas quais "se bateram todos os recordes de voo em parapente tanto de Espanha como de Portugal, já que alguns voaram durante oito horas seguidas, acabando em Alicante (sul de Espanha)".

Por sua parte, Esther Pizarro reconhece que participa "em todas as corridas" organizadas pela eurorregião luso-espanhola EUROACE (Alentejo, Centro e Extremadura) e assegura que tiveram uma importância vital para encorajar muitas mulheres de ambos lados da fronteira a praticar desporto, tanto ao nível amador como semiprofissional.

Esta eurorregião colocou desde o ano passado ao serviço dos desportistas ibéricos e para as pessoas que querem começar no Circuito Euroace Sport um total de 174 provas de diferentes modalidades nas quais os desportistas espanhóis e portugueses se unem para a prática desportiva.

Cicloturismo, trail, running, parapente, montanhismo, duatlo… são só algumas das dezenas de modalidades do circuito Euroace Sport, que faz também a fusão entre desporto e o património da natureza.

A iniciativa, auspiciada pelos fundos europeus do Programa de Cooperação Territorial Espanha e Portugal (POCTEP) com 2.038.752,66 euros, tem cerca de um ano de vida e prevê envolver na prática desportiva mais de 60.000 pessoas destes dois países.

SEM FRONTEIRAS NO AR

"Num mesmo voo atravessas várias vezes a fronteira de Espanha e Portugal", explica o parapentista Andrés Sánchez, cuja empresa tem cada vez mais procura de amantes desta modalidade, que vão aos circuitos para conhecer a vista de pássaro da Raia formada pela Extremadura e Alentejo.

Sánchez assegura que desde o ar é ainda mais difícil saber se estás em Espanha ou Portugal, e "só te dás conta se levas GSP, caso contrário não reparas".

Sobrevoar o Forte da Graça de Elvas, ver desde cima o oásis ibérico do Lago de Alqueva que une Espanha e Portugal ou descobrir a célebre Ponte Ajuda em plena linha fronteiriça com Olivença são alguns dos tesouros que Andrés Sánchez mostra a quem se atreve a praticar parapente neste circuito Euroace.

Este tipo de turismo de aventura chega ao zénite em Castelo de Vide, uma das paragens cada vez mais procurada pelos parapentistas, situada no Parque Natural da Serra de São Mamede, junto a Cáceres.

Além disso, o aumento da procura levou a Sierra de Gata (Extremadura) a construir uma pista de descolagem de parapente, valorizando ainda mais esta localidade do norte de Cáceres.

O intercâmbio luso-espanhol fica patente no Club Aerofly, formado por 40 amantes deste desporto tanto de Espanha como de Portugal, explica Sánchez, que já trabalha com a Euroace Sport na organização do próximo Campeonato Ibérico de Parapente que será realizado em Zarza Capilla de 13 a 17 de julho de 2021.

MULHER, DESPORTO E FRONTEIRA

Esther Pizarro é uma das dezenas de mulheres que aderiram às diferentes modalidades desportivas oferecidas por este circuito luso-espanhol.

"Estas atividades são muito importantes porque há mulheres que têm mais dificuldade para dar o passo de fazer desporto, e com estas iniciativas conseguem dar o passo, perdem o medo e depois são muito mais constantes na prática desportiva", diz à EFE.

No seu caso, com quatro filhos, afirma que treina quando tem as crianças a dormir de modo a preparar as competições que há em cada fim de semana no Circuito Euroace Sport.

"Sou muito organizada e constante", confessa, e o pouco tempo que tem aproveita "ao máximo".

Conseguiu inclusivamente que o desporto se tornasse numa questão familiar durante o fim de semana, já que "agora até os filhos se preparam para as corridas de fim de semana".

Com as competições, os desportistas de ambos países conseguiram "apagar a fronteira", reconhece Pizarro, já que, "no meu caso, coincido com muita gente tanto de Espanha como de Portugal, e agora vemos mais próximo o país vizinho, que o víamos como mais longe".

"Fomentam-se as relações pessoais, trocamos impressões com os desportistas portugueses, falas, brincas e se criam laços que nos aproximam", afirma Pizarro.

Uma das provas estrela do circuito ibérico é a Corrida da Mulher acolhida anualmente pela cidade extremenha de Almendralejo a 8 de março.

E entre as mais únicas o samba carnavalesco de todos os anos na cidade, também da Extremadura, de Jerez de los Caballeros, um evento que recebe 200 mulheres de toda esta localidade de Badajoz, como explica à EFE a dinamizadora desta zona, Inmaculada Pitel.

O evento recebe "mulheres de todas as idades, algumas de mais de 70 anos, e há homens que também participam", aclara Pitel.

Outros dos fixos das corridas dos circuitos luso-espanhóis é o agente da polícia português Joaquim Catelo, residente em Elvas.

"Conheço atletas de Espanha, com as corridas conseguimos manter a amizade entre corredores de ambos países", reconhece.

OS APALACHES, UMA ROTA ENTRE DOIS CONTINENTES

Uma das ofertas mais únicas do Euroace Sport é a Rota pelos Apalaches, um percurso montanhoso pelo município português de Oleiros no coração do Geoparque Naturtejo, que faz fronteira com a região espanhola da Extremadura.

Carla Jacinto, responsável da empresa Naturtejo, uma das entidades que fazem parte do projeto Euroace Sport, explica que são muitos os americanos que vão a esta zona para completar uma rota de trail que tinham começado antes na América do Norte.

É a cordilheira mais destacada do ponto oriental da América do Norte, desde a ilha de Terrnova (Canadá) até ao Alabama (EUA) e era uma mesma cadeia montanhosa que continuava pela atual zona portuguesa de Oleiros quando a Europa e América eram um mesmo continente, recorda Carla Jacinto.

A Naturtejo tem para todo o ano de 2021 uma ampla agenda de eventos desportivos dentro dos circuitos luso-espanhóis Euroace Sport aos quais preveem uma assistência em massa de desportistas de ambos lados da Raia, muitos deles em família para desfrutar da natureza e desporto de aventura em conjunto.

UM NICHO DE EMPRESAS DESPORTIVAS

O projeto Euroace Sport também procura a criação e assentamento de empresas desportivas que beneficiem da oferta de um circuito que engloba um total de 174 provas, onde a aventura, o ambiente e o património seduzem os fãs dos cinco continentes.

O diretor-geral de Desporto da Extremadura, Dan de Sande, recorda que através desta iniciativa se ajuda 60 empresas do setur cujos trabalhadores recebem formação para melhorar as suas competências e dar-lhes um impulso à profissionalização.

De facto, a eurorregião já formou dezenas de profissionais através de módulos onde os alunos se formam em diferentes especialidades como técnicas aquáticas, atividade física para grupos especiais e terceira idade ou práticas de socorrismo.

Este projeto de cooperação luso-espanhola acolheu inclusivamente em 2019 a Feira do Desporto na cidade de Don Benito (Extremadura), que regressa em 2021.

O objetivo é claro, segundo Dan de Sande, "chegar a 60.000 participantes e conseguir um retorno económico para as empresas de 5 milhões de euros".

Carlos García