EFEMadrid

A gigante do entretenimento Disney optou por reforçar a segurança na sua plataforma de streaming Disney+ retirando do catálogo infantil alguns filmes clássicos, como "Dumbo" ou "Peter Pan", que incluem representações negativas e/ou maltrato de pessoas ou culturas, embora continuem disponíveis nas contas de adultos.

Segundo indicou à Efe um porta-voz da companhia, esta medida reforça a adotada no passado mês de outubro, quando se acrescentaram avisos de conteúdo revistos para alguns títulos da Disney +, onde se informava que, por serem tão antigas, podiam incluir algumas conotações racistas.

Agora, vários dos seus clássicos de animação como "Dumbo" (1941) "Peter Pan" (1953), "Lady and the Tramp" (1955), "The Jungle Book" (1967) e "The Aristo Cats" (1970) passaram a ser considerados como conteúdo apenas apto para maiores de 7 anos e foram bloqueadas nos perfis infantis (menores de 7 anos) devido ao seu conteúdo inapropriado.

A companhia tomou esta decisão de proibir os filmes nas contas de crianças depois de ouvir a opinião de um grupo de especialistas externo, composto por "organizações líderes que advogam pelas comunidades que representam e que estão na vanguarda de promover a mudança narrativa nos media e no entretenimento".

Uma postura que se enquadra no compromisso de "criar histórias com temas inspiradores e ambiciosos que refletem a rica diversidade da experiência humana em todo o mundo", segundo reflete a Disney no seu site.

A companhia tinha até agora gerido o tema com uma mensagem de advertência, que se projetava 10 segundos antes do começo do filme.

A Disney disse então que não considerava necessário alterar o conteúdo dos filmes porque, embora sejam estereótipos errados "então e agora", estarem na versão original permitia "aprender e gerar conversar para criar em conjunto um futuro mais inclusivo".

O problema com as conotações racistas de alguns clássicos é antigo, remontando até à própria data de lançamento de certos filmes.

Em "Dumbo", por exemplo, uma cena inclui um grupo de corvos a usar estereótipos para representar afroamericanos. Este grupo é liderado por uma personagem batizada Jim Crow, um termo utilizado antigamente para insultar homens negros nos Estados Unidos.

Há um problema parecido em "The Jungle Book", enquanto que "Peter Pan" foi criticada pela forma que representa a população nativa, e "The Aristo Cats" pelo seu estereótipo de asiáticos com Shun Gon, um gato siamês. Existe algo similar em "Lady and the Tramp" com dois gatos siameses que aparecem no filme.