EFELisboa

É um dos avançados de moda do futebol luso. Após estrear-se em jogos oficiais com a equipa de Fernando Santos, o luso-brasileiro Dyego Sousa vai cumprir o seu desejo de jogar a Liga das Nações com Portugal, país adotivo do atual jogador do Braga e a onde chegou com apenas 18 anos.

Dyego Wilverson Ferreira Sousa (Maranhão, 1989) é uma das revelações da Liga NOS. Este gigante de 1,90 metros de altura conseguiu entrar na lista do vigente campeão da Europa, que no mês de junho vai exercer de anfitrião para a primeira edição da Liga das Nações.

Numa temporada na qual marcou 20 golos em 43 encontros oficiais, o avançado do Braga é a nova sensação da liga portuguesa. Os seus 15 golos e 5 assistências em 33 encontros credenciam-no como uma das referências ofensivas da competição.

Com estes números, o avançado conseguiu convencer o técnico Fernando Santos para o grande evento do verão das seleções na Europa.

Depois da sua estreia oficial em dois jogos classificatórios para o Europeu de 2020, o brasileiro vai tentar assentar-se numa seleção que mistura juventude e experiência.

Aos seus 29 anos, Sousa parece ter encontrado o seu melhor estado de forma. O atacante deixou para trás o seu Brasil natal à procura de oportunidades. Após um breve périplo por Angola, o "nove" juntou-se às fileiras do Marítimo, com o qual em dois períodos distintos brilharia até merecer a sua contratação pelo Sporting de Braga.

Leixões, Portimonense e Tondela foram as outras equipas que participaram no crescimento de Sousa como jogador, que este verão vai compartilhar balneário com vários dos integrantes que se proclamaram campeões da Europa em França em 2016.

Com um Portugal carente de um avançado centro de garantias desde as últimas aparições de Pauleta, Sousa poderá ser a alternativa no ataque da equipa de Fernando Santos. Hugo Almeida, Nuno Gomes, Hélder Postiga ou o seu agora colega André Silva não tiveram a consistência necessária para acompanhar a grande referência da seleção, Cristiano Ronaldo.

Dyego Sousa une-se à lista de "repatriados" que mudaram o amarelo da penta campeã do mundo pela cor grená da seleção portuguesa.

Nos últimos anos, jogadores como Deco, Pepe ou Liédson renunciaram à "canarinha" para representar o país onde se consolidaram como jogadores de primeiro nível.

Curiosamente, o seu caso também lembra o de outro ex-Braga, o seu colega Diego Costa. O hispano-brasileiro também iniciou a sua carreira no país lusitano e também militou nas fileiras do Sporting de Braga. O seu posterior salto a Espanha fariam com que o agora jogador do Atlético de Madrid tenha tomado a decisão de jogar com "la roja".

Poderoso no jogo aéreo, o goleador também possui uma grande arrancada. Ao seu bom jogo de costas para a baliza juntam-se outras virtudes impróprias de um avançado do seu tamanho. Resolutivo na área, também procura o arranque desde posições distantes para dar asas à sua potência.

Com a sua época, meios desportivos locais apontam que tanto Benfica e Porto lutam pela sua contratação. A sua cláusula de 20 milhões de euros poderá ser assumida por qualquer dos dois gigantes do futebol luso, que procuram sempre fechar os jogadores mais destacados do torneio doméstico.

Depois de reconhecer que após a sua aterragem em Portugal chegou a "passar fome por culpa dos contínuos atrasos do seu salário", admite que por "questões financeiras" poderá orientar o seu futuro para "a liga inglesa ou espanhola" em declarações recolhidas pela imprensa brasileira.

Fica por ver o seu impacto na seleção nacional, onde avançados de peso como João Félix, Gonçalo Guedes ou Rafa Silva, mais móveis e com maior experiência, vão tentar procurar um espaço no onze inicial. A grande dúvida irá residir na desmarcação de Cristiano Ronaldo, que poderá atuar como avançado centro, o que abriria o leque de possibilidades no centro do campo.

Pedro Martín