EFELisboa

O CEO da Enel, Francesco Starace, disse hoje que propôs ao Governo português a substituição da central de carvão de Pego, que deixou de produzir no dia 19 de novembro, com capacidade renovável.

"A central de carvão do Pego atingiu o fim da sua vida útil. Acreditamos que pode ser substituída por capacidade renovável e foi isso que propusemos ao Governo português", afirmou em conferência de imprensa após a apresentação do plano estratégico 2022-2024 da Enel, que opera em Portugal e Espanha através da Endesa.

Starace indicou que não vão participar em " planos que envolvam conversões complexas de biomassa que não façam sentido".

"Acreditamos que o futuro é desmantelar a central e substituí-la por energias renováveis e armazenamento", explicou o CEO, que acredita que o mercado português tem "muito potencial de crescimento" nas renováveis.

"Iremos analizar e explorar todas as posibilidades de desenvolvimiento. Temos um bom pipeline em Portugal, e vamos desenvolvê-lo para servir o mercado ibérico no seu conjunto", acrescentou.

A central de Pego, localizada no centro do país, iniciou as suas operações em 1993 e é administrada por uma joint venture entre a Endesa e a Trustenergy.

Foi a última termelétrica do país, pelo que desde o passado sábado Portugal deixou de produzir electricidade a carvão.