EFEGaza

Os danos registados na Faixa de Gaza pela atual escalada bélica em Israel aproximam-se dos 250 milhões de dólares (cerca de 200 milhões de euros), informou esta quarta-feira o Ministério de Informação do enclave, coincidindo com o décimo dia de violência, que causou já 219 mortos palestinianos e 12 israelitas.

Os danos mencionados no relatório são apenas os resultantes de bombardeamentos israelitas, que consistiram, segundo esse ministério, em 1.615 ataques aéreos desde o começo da atual troca de fogo na segunda-feira da semana passada, um número muito superior ao indicado pelo exército israelita.

De acordo com a contagem do Ministério de Informação de Gaza, as perdas subiram a 243,8 milhões de dólares (199,6 milhões de euros) com os danos causados em 1.174 casas totalmente destruídas e 7.073 danificadas, entre outros.

Além disso 156 torres ou edifícios residenciais foram completamente destruídos, tal como 33 escritórios de meios de comunicação; 73 escritórios governamentais foram bombardeados; e 57 escolas e hospitais danificadas.

O Ministério detalhou ainda que mais de 120 automóveis privados foram destruídos, o que gerou danos de 5,5 milhões de dólares (4,5 milhões de euros).

Também relatou danos em mesquitas, afirmando que oito foram completamente destruídas e outras foram danificadas, o que coloca as perdas em cinco milhões de dólares (perto de 4 milhões de euros).

Os custos no setor da energia e comunicações rondam os 18,1 milhões de dólares (14,8 milhões de euros), enquanto que os danos nas áreas agrícolas e herdades estão nos 22 milhões de dólares (18 milhões de euros).

Já os danos registados como resultado de ataques a empresas e escritórios comerciais são cerca de 27 milhões de dólares (à volta de 22 milhões de euros).

Estes são apenas alguns dos números divulgados pelo enclave sobre a magnitude dos danos causados, que se estendem a múltiplas áreas.

Após mais de uma semana de hostilidades quase incessantes tanto de Gaza para Israel como pelo exército israelita contra o enclave, mais de 230 pessoas foram mortas.

219 são vítimas palestinianas em Gaza, das quais, segundo números do Ministério da Saúde, 63 eram crianças; enquanto que em Israel, até agora, foram registadas 12 mortes, incluindo um menor.