EFEMoscovo

O Centro de Controlo de Voos realizou esta sexta-feira uma manobra não planeada para corrigir a órbita da Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês) para evitar o impacto de lixo espacial, informou a agência espacial russa Roscosmos.

"Todas as operações foram realizadas de modo normal e em total correspondência com os cálculos dos especialistas russos", analisou a agência em comunicado.

A manobra foi feita mediante a ativação dos propulsores do cargueiro Progress MS-14, acoplado ao módulo Zvezda do segmento russo da estação. Os propulsores funcionaram durante 100 segundos, aumentando a altura da estação em 300 metros.

A mudança de órbita mais recente da ISS tinha sido no dia 29 de junho, com um aumento de 480 metros na altura, levando a estação a 418,5 quilómetros da Terra.

Aquela manobra foi realizada para preparar a estação para a chegada do cargueiro Progress MS-15, cujo lançamento está previsto para o dia 23 de julho.

A quantidade de lixo espacial espalhado pela órbita terrestre tornou-se numa preocupação para as agências espaciais de todo o mundo. Segundo cientistas russos, calcula-se que a quantidade irá duplicar até 2030.

Atualmente, o Sistema de Controlo Espacial tem catalogados mais de 50 mil objetos espaciais em diversas órbitas. Especialistas do Instituto Estatal Técnico Bauman da Rússia estimam que existam cerca de 7.200 toneladas de lixo espacial ao redor do planeta.

Esses lixos podem danificar naves espaciais ativas, motivo pelo qual é necessário encontrar soluções para um problema que é global e se torna cada vez mais urgente.

A colisão com um alvo de dez centímetros pode implicar a "fragmentação catastrófica" de um satélite. Já um objeto de um centímetro é capaz de perfurar os escudos da ISS, enquanto algo de um milímetro destruiria subsistemas de satélites.