EFEWashington

A americana Food and Drug Administration (FDA), aprovou o uso do Aduhelm, um novo medicamento para o tratamento do Alzheimer, o primeiro a tratar diretamente a patologia "fundamental" da doença.

Em comunicado, a FDA informou que se trata do primeiro novo tratamento contra o Alzheimer que o Governo americano aprova contra a doença degenerativa, que afeta 6,2 milhões de pessoas no país.

A aprovação do medicamento foi acelerada porque, segundo a agência, proporciona um "avanço terapêutico significativo" em comparação com outros tratamentos".

O medicamento aprovado consegue reduzir de forma subjacente as placas da proteína beta-amiloide, que são um sinal da doença, motivo pelo qual a agência considera "razoável" prever um benefício importante para os doentes de Alzheimer.

Após a aprovação emergencial, a FDA ordenou que a Biogen, empresa que fabrica o Aduhelm, faça um teste mais amplo que confirme os benefícios do medicamento.

O comunicado explica que a FDA aprovou de forma emergencial o medicamento após um primeiro teste que demonstrava a redução da beta-amiloide em regiões do cérebro que podem ser afetadas amplamente pela doença em comparação com outras que se livram dela.

A prescrição do medicamento contém advertências sobre possíveis efeitos adversos citados pela FDA, como inflamações que desaparecem com o tempo e que, inicialmente, não provocam sintomas, mas que podem causar enxaquecas, tonturas ou náusea, além de reações de hipersensibilidade.

A FDA ressalta que o medicamento poderá ser retirado se a Biogen, após o novo teste, não conseguir comprovar os seus benefícios.