EFELa Paz

Sem especificar exatamente onde está localizado, Evo Morales, que renunciou à presidência da Bolívia no passado domingo, informou na noite desta segunda-feira que está refugiado na região de Cochabamba, no centro da Bolívia, onde recebeu "segurança e cuidado" de apoiantes.

Morales divulgou nas redes sociais uma foto na qual aparece deitado no chão, sob uma manta pendurada. Na mensagem que acompanha a imagem, o político boliviano agradeceu o apoio das "federações do Trópico de Cochabamba", uma referência aos grupos cocaleros dos quais nunca deixou de pertencer enquanto esteve no poder.

"Esta foi a minha primeira noite depois de deixar a presidência à força pelo golpe de (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho com a ajuda da polícia. Assim me recordei dos tempos de líder sindical. Muito agradecido aos meus irmãos das federações do Trópico de Cochabamba por nos oferecer segurança e cuidado", escreveu no Twitter.

Carlos Mesa é o principal líder da oposição no país, enquanto Luis Fernando Camacho lidera um comité cívico. De acordo com o ex-presidente, ambos orquestraram um golpe de Estado com o apoio da policía.

Um avião da Força Aérea mexicana voa via Lima, no Peru, para levar Morales ao México. O ex-presidente boliviano aceitou o asilo oferecido pelo Governo mexicano.

"Irmãs e irmãos, parto rumo ao México, agradecido pelo Governo desse povo irmão que nos ofereceu asilo para cuidarmos da nossa vida. Sinto dor por abandonar o país por razões políticas, mas vou estar sempre atento. Logo voltarei com mais força e energia", prometeu.

Em outra mensagem, Morales denunciou que indivíduos roubaram a sua casa num bairro de Cochabamba, depois de "saquearem e tentarem queimar" outras casas da mesma cidade no dia anterior.