EFESanta Cruz de La Palma (Espanha)

A situação na zona da ilha espanhola de La Palma afetada pela erupção "é desoladora" porque "um fluxo de lava com uma altura média de seis metros está literalmente a comer casas, infraestruturas e culturas que vai encontrando a caminho da costa do vale de Aridane", explicou esta segunda-feira o presidente do Cabildo (administração local), Mariano Hernández Zapata.

De acordo com as informações que as administrações receberam dos organismos científicos que controlam o comportamento do vulcão, espera-se que o fluxo de lava entre no mar ao largo da costa de Tazacorte, possivelmente em Playa Nueva, em Los Guirres, nesta ilha que faz parte do arquipélago atlântico das Canárias.

Como já tinha sido avançado ontem à noite, Hernández Zapata confirmou que não há vítimas a lamentar nesta erupção, facto pelo qual felicitou os organismos científicos presentes na ilha, pois previram a situação com quase uma semana de antecedência e deram às autoridades um ponto de partida provável que se encontrava a apenas 300 metros do local onde o vulcão finalmente entrou em erupção.

"Graças a este trabalho prévio, foi possível evacuar horas antes da erupção as pessoas dependentes e, durante todo o dia de ontem, domingo, mais de 5.000 pessoas foram evacuadas na área onde se prevê que a lava possa avançar", observou.

Hernández Zapata salientou que, depois de ter a certeza de que "100% das pessoas estão seguras e que não há danos pessoas a lamentar", estão agora a centrar a sua preocupação "nos danos às infraestruturas e nos projetos de vida das pessoas, que são as suas casas".

"Devemos agora estar mais próximos do que nunca de todas as pessoas que perderam os seus lares nesta catástrofe", concluiu.