EFEFalmouth (R.Unido)

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse este domingo na cimeira do G7 que os países ricos e as empresas farmacêuticas devem "pagar" os programas de vacinação contra o coronavírus nos países em desenvolvimento.

Georgieva, que falou na sessão plenária do encontro na Cornualha no sábado e voltará a falar hoje no último dia da cimeira, disse à imprensa que ficou "impressionada com a seriedade com que (os líderes do G7) abordaram a questão do fim da pandemia em todo o mundo".

Os líderes de algumas das democracias mais desenvolvidas do mundo expressaram "um claro reconhecimento" de que ajudar os países em desenvolvimento a combater o coronavírus "não é apenas um imperativo moral, mas um passo necessário para que a recuperação económica seja duradoura".

"Por essa razão, devemos assegurar que o mundo faça com que os países ricos e as empresas o paguem", ressaltou.

A diretora-geral do FMI salientou que a ação mais urgente a ser tomada é organizar a doação de "vacinas excedentárias" para os países mais pobres.