EFEMadrid

O ministro de Economia de Espanha, Luis de Guindos, cifrou nesta segunda-feira em 1.000 milhões de euros o custo económico do processo independentista da região espanhola da Catalunha no quarto trimestre de 2017.

Em entrevista, De Guindos explicou que este número corresponde à desaceleração de quatro ou cinco décimas do crescimento do PIB catalão -de cerca de 0,9% a 0,4%- no quarto trimestre.

Por isso, deduz que a crise política já custou "perfeitamente" cerca de 1.000 milhões de euros ao crescimento económico, "castigado" pela abordagem independentista.

Segundo o ministro, esta desaceleração evidencia a "enorme inquietação e desconfiança" que geraram as decisões do anterior Governo regional da Catalunha.

De Guindos apontou que espera que o futuro Executivo catalão seja consciente destes custos, abandone a "via unilateral" e se centre "no dia a dia" e nas "necessidades básicas" da sociedade catalã, depois que manifestou, ao seu julgamento, que a via unilateral "não leva a nenhum lugar".

Num relatório sobre a situação de Espanha, o serviço de estudos do "BBVA" já havia alertado em novembro que a incerteza gerada pela crise política na Catalunha poderia subtrair até 1,1 pontos ao crescimento económico em 2018.

O relatório apontava, além disso, que se a incerteza se estender durante todo o quarto trimestre de 2017, o efeito sobre o PIB poderia gerar um crescimento económico em 2018 entre 0,2% e 1,1% menor ao observado num palco sem tensões.