EFEBelgrado

A primeira-ministra sérvia, Ana Brnabic, denunciou esta terça-feira que a deportação da Austrália do tenista Novak Djokovic por não estar vacinado "carece de sentido" e acusou as autoridades australianas de "arbitrariedade".

"O Novak foi convidado pelo Open da Austrália, obteve o visto para a Austrália, teve a isenção médica. Depois de voar por meio mundo, dizem-lhe: revogamos-te o visto. Para mim, isto carece de sentido", disse Brnabic à emissora Prva.

Segundo a primeira-ministra, as autoridades australianas justificaram-lhe os atos com as restritivas normas de imigração que aplicam para evitar a expansão da pandemia e que incluem a obrigatoriedade de vacinação.

Brnabic criticou também o Governo australiano por esperar que o número um do ténis mundial chegasse ao país para lhe revogar o visto e o expulsar.

Além disso, afirmou que foi demonstrado "da maneira mais feia" que em outros países não há tanto respeito pelo Estado de direito como, assegurou, é exigido à Sérvia em várias ocasiões.

O tenista foi deportado da Austrália e regressou esta segunda à Sérvia depois de um longo processo na Justiça australiana.