EFEMadrid

Pela primeira vez em 175 anos de história, uma mulher, María Gámez, vai comandar a Guarda Civil de Espanha, uma corporação policial militarizada fundada em 1844 e subordinada aos ministérios do Interior e Defesa.

Os mais de 80 mil agentes, altamente valorizados, exercem funções de segurança, ordem pública, ajuda e resgate, antiterrorismo e contra o tráfico de drogas, vigilância de fronteiras, regulação do trânsito e preservação da natureza, entre outras.

O Governo espanhol, presidido pelo socialista Pedro Sánchez, nomeou María Gámez na sexta-feira por indicação do ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, que esta semana demitiu o diretor anterior, Félix Azón.

"É uma honra que assumo com entusiasmo e responsabilidade. Estou à disposição de toda a Guarda Civil", escreveu Gámez no Twitter após ter sido nomeada.

Pioneira na ocupação de cargos públicos tradicionalmente masculinos, Gámez é formada em Direito, casada, tem 50 anos, três filhos e 11 irmãos. Filha de um faroleiro, concluiu os estudos graças a um benfeitor anónimo.

Feminista e ativa nas redes sociais, María Gámez nasceu em Sanlúcar de Barrameda, na província de Cádiz. Além de ser especialista em direito constitucional da saúde, é formada pelo Programa de Alta Gestão Empresarial do Instituto Internacional de San Telmo.

Em junho de 2018 tornou-se na primeira mulher a representar o Governo espanhol em Málaga, com a responsabilidade de coordenar as forças de segurança do Estado na província do sul de Espanha.

Nesta posição, conheceu em primeira mão o trabalho da Guarda Civil, como no resgate de uma criança de dois anos -encontrada morta- que caiu em janeiro de 2019 num poço de 110 metros de profundidade na cidade de Totalán, em Málaga, um caso com uma grande repercussão mediática em Espanha.

A porta-voz do Governo, María Jesús Montero, expressou "orgulho" pelo fato de, pela primeira vez, a diretora-geral (um cargo civil) deste órgão ser uma mulher. As associações de guardas elogiaram a nomeação, com a esperança de que Gámez corresponda às exigências de melhorias laborais.