EFELisboa

A relação entre a arte e a sustentabilidade do planeta, com vista a um futuro pós-pandemia, será o foco de uma conferência organizada em Lisboa pela Fundação Joana Vasconcelos, que reunirá a artista portuguesa com figuras como o artista chinês Ai Weiwei e o filósofo francês Gilles Lipovetsky.

O atelier de Vasconcelos em Lisboa vai acolher esta sexta-feira a primeira edição de "Reboot", que reúne diferentes nomes ligados ao mundo das artes de Portugal, Espanha, França, Brasil e Camarões, e convida, acima de tudo, à reflexão.

"Lisboa pode ser o ponto de partida para uma reflexão sobre a arte e a produção artística", assinalou a própria Vasconcelos esta semana num encontro com correspondentes para apresentar a conferência, um "debate sobre a visão da arte e da sociedade".

Para a célebre artista, que considera que o fórum adquire especial importância após o confinamento, um dos objetivos do evento é "transformar o tecido artístico em Portugal".

ARTE E ATIVISMO

Artistas, colecionadores, investidores e representantes de museus, entre outros, vão estar reunidos em Lisboa -embora o fórum será também transmitido online- para abordar questões como a responsabilidade social e a relação da arte e o ativismo político.

Este será o tema do painel principal, que reunirá Vasconcelos com Ai Weiwei, conhecido pelo seu ativismo político e atualmente a residir em Portugal, e o artista camaronês Barthélémy Toguo.

A conversa entre os três artistas será moderada pelo espanhol Enrique Juncosa, escritor e gestor cultural, que faz parte de uma lista de participantes que inclui a Ministra da Cultura portuguesa, Graça Fonseca, e o curador francês Bernard Blistène, que dirigiu o Museu Nacional de Arte Moderna do Centro Georges Pompidou entre 2013 e 2021.

Também estarão presentes o historiador e curador francês Jean-François Chougnet; o chefe do projeto de arte contemporânea da Biblioteca do Vaticano, Cristiano Grisogoni; o escritor, crítico de cinema e professor francês Jean Serroy, e o artista e fotógrafo chinês Xing Danwen, entre outros.

Entre os outros tópicos a serem abordados na conferência estão a nova era artística, a arte pública, uma visão prospetiva para os museus e a forma como a arte pode contribuir para um futuro sustentável.

ANUAL E ITINERANTE

Embora esta seja a primeira vez que a conferência se celebra, a ideia é que seja realizada anualmente em Lisboa e que tenha também uma edição itinerante, com os olhos postos em Paris para 2022.

"Reboot" faz parte da estratégia de internacionalização da Fundação Joana Vasconcelos, criada pela artista portuguesa em 2012 com o objetivo de apoiar o ensino das artes (com bolsas de estudo para estudantes) e contribuir para ações de solidariedade e causas sociais.

Vasconcelos (1971) é uma das artistas plásticas mais reconhecidas de Portugal, célebre sobretudo pelas suas esculturas monumentais e pela incorporação de objetos do dia a dia nas suas obras.

Apresentou obras na Bienal de Veneza e no francês Palácio de Versalhes, assim como nas cidades de Manchester, São Paulo, Barcelona e Sevilha, entre outros lugares.

Em 2017 tornou-se no primeiro artista português a ter uma exposição individual no Museu Guggenheim em Bilbau.