EFEPequim

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, espera que o segundo possível encontro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, consiga "resultados que a comunidade internacional veja com bons olhos", informa hoje a agência estatal de notícias chinesa Xinhua.

O regime norte-coreano "vai permanecer fiel à sua posição" sobre a desnuclearização e resolver o problema da península coreana "através do diálogo e consulta", disse Kim, que considerou que a situação na área é "relaxante" desde o ano passado.

Além disso, Kim mostrou a sua expectativa de que "as partes envolvidas deem importância e respondam positivamente aos interesses legítimos da República Popular Democrática da Coreia (RPDC, nome oficial da Coreia do Norte) e impulsionem conjuntamente uma solução integradora para o problema da península coreana".

Kim fez estas declarações durante o seu encontro com o presidente da China, Xi Jinping, com quem se reuniu antes de ontem, pouco depois de chegar de comboio a Pequim naquela que foi a sua quarta visita num ano.

"A China espera que a RPDC e os EUA façam a sua parte" para chegar a um acordo, afirmou Xi, que ofereceu "trabalhar com a Coreia do Norte e as partes envolvidas e desempenhar um papel positivo e construtivo para manter a paz e estabilidade e alcançar desnuclearização na península e paz duradoura na região".

Xi disse que o gigante asiático vai apoiar "as melhorias contínuas nas relações intercoreanas" e "que a Coreia do Norte e os EUA realizem cimeiras nas quais obtenham resultados", assim como "que as partes envolvidas resolvam as suas preocupações legítimas através do diálogo".

O líder chinês elogiou as "medidas positivas" tomadas pelo governo norte-coreano para "manter a paz e a estabilidade e tornar a desnuclearização da península numa realidade", e afirmou que em 2018 aconteceram "grandes progressos" neste sentido graças ao trabalho "conjunto da China, Coreia do Norte e as partes envolvidas".

A possibilidade de "um acordo político amigável para a questão da península enfrenta uma oportunidade histórica excepcional", segundo Xi, que enfatizou o apoio da China para a "contínua fidelidade da Coreia do Norte na direção da desnuclearização".

Xi lembrou que 2019 marca o 70º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas, e afirmou estar "disposto a trabalhar com o camarada presidente (Kim) para realizar iniciativas sólidas que orientem o desenvolvimento futuro das relações".

Por sua parte, Kim disse: "sob o extremo cuidado do camarada secretário-geral (Xi), as relações RPDC-China foram elevadas no ano passado a novas alturas, e um novo capítulo foi escrito".

De acordo com a imprensa oficial chinesa, a reunião aconteceu num "ambiente cordial e amistoso", onde os dois líderes "tiveram uma profunda troca de pontos de vista sobre as relações entre a China e Coreia do Sul e sobre questões de interesse comum".

Esses acordos incluem a promoção de relações bilaterais, "avançando constantemente" no processo de conseguir um "acordo político amigável" sobre a península coreana e "fazer contribuições positivas para a paz, estabilidade, prosperidade e desenvolvimento na região e no mundo".