EFEBerlim

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou esta quinta-feira que o "racismo é veneno", em reação ao ataque de motivação xenófoba ocorrido na noite passada na cidade de Hanau, no centro da Alemanha.

Merkel revelou que as investigações iniciais indicam que o atirador tinha motivações de extrema-direita e racistas, com "ódio contra pessoas de outra origem, de outra religião e de outra aparência".

"O racismo é veneno. Ódio é veneno. Este veneno está presente na nossa sociedade e já é responsável por demasiados crimes. Desde os crimes da (célula de extrema-direita) NSU (National Socialist Underground) até às mortes em Halle e o assassinato do (político conservador) Walter Lübcke", acrescentou.

Ao condenar o "terrível" ataque, Merkel ressaltou que o Governo alemão trabalha para defender "os direitos e a dignidade" de "todas as pessoas no país".

"Nós não diferenciamos por origem ou religião. Nós confrontamos aqueles que tentam dividir a Alemanha com toda a nossa força e determinação", frisou a governante ao solidarizar-se com familares e amigos das vítimas e desejar uma rápida recuperação aos feridos pelas consequências "físicas e psicológicas" do ataque.

A Procuradoria-Geral da Alemanha assumiu o caso ocorrido na noite passada devido à suspeita de se tratar de um atentado terrorista. O suposto autor do ataque, um alemão de 43 anos de extrema-direita com uma licença de porte de armas, atacou dois estabelecimentos comerciais, disparando indiscriminadamente, deixando nove mortos e cinco pessoas gravemente feridas.

O suspeito foi encontrado sem vida, junto ao corpo da mãe, em casa esta madrugada. As forças de segurança encontraram munição no veículo que foi usado entre os ataques.