EFESan Francisco (EUA)

O sistema operativo para computadores Windows 7, um dos mais populares da história, deixará de ter suporte técnico da Microsoft a partir desta terça-feira.

A partir de hoje, o sistema deixa de receber atualizações, o que deixará aqueles que o continuam a utilizar mais vulneráveis a ataques de hackers.

Segundo o site "Net Market Share", 26,6% dos computadores do mundo continuam a operar com Windows 7, apesar da Microsoft ter alertado há mais de um ano que deixaria de atualizá-lo no início de 2020.

A Microsoft recomenda que aqueles que continuam com o Windows 7 que o atualizem para um sistema operativo mais recente se possuem um computador comprado há menos de três anos. Caso contrário, a sugestão da empresa é a aquisição de uma nova máquina.

Na prática, como aconteceu há alguns anos com o popular Windows XP, a decisão de deixar de atualizar o sistema deixará aqueles que não fizerem a troca mais vulneráveis a possíveis vírus, trojans e ataques por parte de hackers.

Segundo dados de dezembro de 2019, mais de metade dos computadores do mundo usa o Windows 10.

Os outros 25% são compostos por utilizadores de Macs, de Linux, de alguns fãs do Windows XP que resistem em abandoná-lo e do Windows 8 e 8.1, que nunca tiveram grande popularidade entre os clientes da Microsoft.

Segundo a imprensa especializada, a razão fundamental que explica a quantidade de pessoas que continuam a utilizar o Windows 7 é a satisfação geral dos utilizadores com o sistema. A má impressão que parte deles também teve do Windows 10 é outro fator apontado.

Apesar de deixar de oferecer assistência técnica para o Windows 7 ao público geral, a Microsoft irá continuar a prestar suporte a empresas e órgãos governamentais que desejem manter o sistema e estejam dispostos a pagar por isso.