EFEGenebra

O sistema de saúde em Manaus, a capital do estado brasileiro do Amazonas, colapsou pela segunda vez devido ao grande número de novos casos de covid-19, e os seus efeitos poderão estender-se a zonas rurais da Amazónia, advertiu esta quinta-feira a organização Médicos sem Fronteiras (MSF).

Equipas da MSF em localidades da região, situadas a vários dias de barco de Manaus, informaram sobre mortes por covid-19 nessas zonas remotas causadas pela impossibilidade de transferir os pacientes mais graves a esta cidade, onde os hospitais estão cheios, assinalou a ONG em comunicado.

"Na última semana nenhum paciente pôde voar de Tefé (uma das localidades) a Manaus. Perdemos três pacientes que podiam ter sobrevivido se tivessem recebido cuidados num hospital de uma grande cidade, mas transferi-los foi impossível", disse o diretor da missão da MSF no Brasil, Pierre van Heddegem.

Os hospitais em Manaus aumentaram a sua capacidade de camas para doentes com covid-19, mas o número de pacientes cresceu de forma muito mais rápida, e as reservas de oxigénio na cidade são apenas um terço das que são precisas, o que levou alguns hospitais a não conseguirem ventilar os pacientes, pelo que há pessoas a morrerem asfixiadas, segundo a MSF.

As equipas da organização em zonas rurais do Amazonas estão a realizar uma campanha de informação para alertar a população sobre como se protegerem do vírus, já que é a medida mais eficaz para lutar contra a sua expansão em zonas onde o acesso a serviços de saúde é muito complicado.

A ajuda da organização ao Brasil começou em abril, mas uma equipa adicional chegou esta segunda a Manaus para reforçar o sistema de saúde no Amazonas.