EFELos Angeles (EUA)

A Netflix disse esta terça-feira que a série "Squid Game" é a melhor estreia da história da plataforma, com 111 milhões de espectadores nos seus primeiros 28 dias de emissão.

A série sul-coreana, que se tornou num fenómeno mundial de massas, passa assim outras criações de êxito como "Bridgerton", que até agora tinha o recorde com 82 milhões de espectadores, "The Queen's Gambit", "Stranger Things", "Tiger King" ou a espanhola "La Casa de Papel".

Contudo, os dados de audiência da Netflix são peculiares, pois o método que a plataforma para definir uma visualização é muito controverso: basta que um subscritor veja um conteúdo concreto durante dois minutos para que se contabilize como espectador.

A companhia tem em absoluto secretismo tudo o referente a audiências, que não estão auditadas por uma empresa externa, como as cadeias de televisão tradicionais.

Apesar das dúvidas sobre como contabiliza os seus sucessos (dos fracassos não há notícia), está claro que "Squid Game" é um dos formatos televisivos mais populares no último ano.

Segundo as métricas da Google, as pesquisas relacionadas com a série eclipsam as de qualquer outro título, os ténis Vans usados pelos seus protagonistas aumentaram as vendas em 7.800% e uma operadora de Internet sul-coreana pediu à Netflix uma compensação pelo aumento da utilização da rede após a estreia.

O chefe de conteúdos da Netflix, Ted Sarandos, avisou há um par de semanas que a série tinha "muitas possibilidades de se tornar no seu maior programa".

A história de "Squid Game" arranca com o protagonista Seong Gi-hun, um homem endividado que contacta o organizador de uma competição que poderá ser a solução para todos os seus problemas. Aí encontra 455 pessoas de diferentes classes sociais, todos com os mesmos números vermelhos, dispostas a arriscar a vida por um prémio milionário.

O êxito da série surpreendeu a Netflix, que apenas promoveu o lançamento de "Squid Game" na Coreia do Sul e nem sequer ofereceu visualizações de imprensa nos Estados Unidos.

Mas o algoritmo da plataforma, que deteta o conteúdo mais bem sucedido numa região e o potencia em outras, levou esta série ao número um em mais de 90 países.

"É um crescimento selvagem. Produzimos conteúdos locais em todo o mundo e queremos que tenham impacto nos países onde são feitos, mas de vez em quando um rompe em todo o mundo", analisou Sarandos, comparando o fenómeno de "Squid Game" com títulos em espanhol como "La Casa de Papel" e "Elite", que conseguiram fazer frente ao domínio de Hollywood.