EFEGenebra

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou esta quinta-feira que seis candidatas à vacina contra o novo coronavírus estão em "fase muito avançada", o que deixa esperanças para uma imunização da população em breve.

O líder da agência, que no início dessa semana admitiu que "talvez nunca haja uma panaceia contra esta pandemia", explicou que algumas vacinas geram otimismo, embora tenha reforçado que é preciso esperar pela conclusão de todas as investigações e resultados dos testes.

Três das seis vacinas mencionadas por Tedros estão a ser desenvolvidas na China, enquanto as outras estão a ser estudadas nos laboratórios das empresas farmacêuticas americanas Pfizer, Moderna e da britânica AstraZeneca, esta última em colaboração com a Universidade de Oxford.

O diretor de Emergências de Saúde da OMS, Mike Ryan, acrescentou que, assim que alguma delas mostrar bons resultados, "a vacina será produzida e a população será imunizada, mas devemos ser cautelosos e observar possíveis efeitos adversos antes de vacinar milhares de pessoas".

Ryan lembrou que, juntamente com esses candidatos, cerca de 160 outros laboratórios estão a trabalhar para obter uma vacina, a primeira que seria conseguida contra um coronavírus.

A Rússia anunciou no final da última semana que uma vacina desenvolvida pelo Centro Nacional de Investigação Epidemiológica e Microbiologia Gamalei está na sua última fase de testes e pode ser inoculada na população a partir de outubro, embora a OMS tenha mostrado cautela a esse respeito.